Logo
 
Bahia, sábado, 16 de fevereiro de 2019
TWITTER CARLOS GEILSON
OUÇA JORNAL TRANSAMÉRICA
BAN UNITÉCNICA
Central de Polícia
 
 
PrintImprimir | Enviado por Carlos Geilson - 8.2.2019 | 16h14
 
Salvador

Sistema de captação de água da chuva é achada em praia

A Secretaria de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) divulgou nesta sexta-feira (8) que vai notificar e autuar a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) por crime ambiental, por causa de despejo de esgoto no mar da praia do Rio Vermelho, em Salvador. A decisão foi tomada após uma fiscalização conjunta da pasta com a Secretaria de Manutenção (Seman).

Conforme a Sedur, os técnicos das duas secretarias estiveram no local, na quinta-feira (7), após denúncias, e constataram que existe um sistema de captação de esgoto da Embasa com um extravasor irregularmente direcionado para dentro da galeria de águas pluviais pertencente ao município. Segundo o órgão, a prática permite que o esgoto seja jogado no mar.
 
De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento e Urbanismo, será a quarta vez que a Embasa receberá punição em função do despejo irregular de esgoto na rede pluvial e, consequentemente, nas praias de Salvador.
Em dezembro do ano passado, a Sedur protocolou denúncia contra a empresa junto ao Ministério Público da Bahia (MP-BA) por poluição do Rio Trobogy. A multa por reincidência por este tipo de crime é de R$ 10 milhões.
Em nota, a Empresa Baiana de Águas e Saneamento negou que a água que escorre na praia da rua Fonte do Boi, no Rio Vermelho, seja esgoto. A empresa informou que trata-se de um córrego que, após intervenção que ligou todos as casas e comércios à rede, retomou seu fluxo normal.
 
Conforme a Embasa, a presença de poluição nas águas do mar provém da sujeira e do lixo das ruas, trazidos pela chuva, ou de lançamentos por parte de moradores ou proprietários que, ao ampliarem ou reformarem seus imóveis, não ligaram o esgoto na rede pública coletora. A Embasa informou que a fiscalização sobre o cumprimento das exigências do código de obras de Salvador é feita pela poder público municipal. Em nota, a empresa acrescentou que, atualmente, a empresa não possui o sistema de captação em tempo seco no local. A estrutura, que desviava esse fluxo do córrego para a rede coletora, foi desmontada desde o ano passado.
 
Separador
Página Inicial
Perfil
Adicionar a Favoritos
Busca
Links
 
Histórico
2019
Jan | Fev |
2018
Jan | Fev | Mar | Abr | Mai | Jun | Jul | Ago | Set | Out | Nov | Dez |